Policiais de Jalisco são pegos espancando um detido no México

Os agentes da polícia em Tonila alegadamente torturaram um detido com tábuas e algemaram-no no carro patrulha para o espancar. O procurador Luis Joaquín Mendez Ruiz garantiu que não será aberta investigação porque o caso deve cumprir determinados requisitos e porque não há informações sobre o ocorrido.

No vídeo, que dura 45 segundos, o detento pode ser visto com as calças abaixadas e a camisa levantada. Ele foi algemado à unidade M-03, placa JW-60-221 do estado de Jalisco.

Nesse tempo, o algemado recebeu seis golpes, no terceiro o pedaço de madeira quebra devido à força do golpe, ao mesmo tempo que o sujeito se contorce e grita para que a surra pare.

“Aí, Guerra, você já me deu seis”, grita e chora o homem para o agressor. No fundo, outro homem diz ao agressor “São cinco”, e o agressor responde “Você quer que eu bata em você também?

O vídeo não mostra o rosto do agressor, apenas a voz, mas o homem algemado o chama de “Guerra” em diversas ocasiões.

Enquanto ocorre a agressão, podem ser vistos dois policiais passando em momentos distintos, indiferentes ao ato. Uma van civil branca também pode ser vista.

Também foi divulgado nas redes sociais outro vídeo, que foi gravado num espaço semelhante e com a mesma carrinha privada ao lado da viatura. Neste, um civil a bordo da viatura segura outro homem, enquanto outro também o segura.

Como a porta do camarote está aberta, não é possível perceber se se trata da mesma viatura da polícia de Tonila.

A prefeitura municipal não comentou o primeiro vídeo descrito acima.

Não podemos abrir investigações sem dados: Procurador
O procurador de Jalisco, Luis Joaquín Méndez, garantiu que para que fosse aberta uma pasta de investigação o ferido teria que apresentar queixa contra os agentes ou as pessoas que o agrediram ou ter mais informações. O responsável pela justiça do estado deu esta declaração, apesar de o vídeo mostrar o nome da corporação, o número económico da viatura e até os rostos de dois polícias.

“Não temos nenhuma denúncia apresentada por qualquer pessoa como vítima ou ofendido. Abrimos investigações de ofício quando temos elementos suficientes, quando identificamos bem a delegacia, os elementos. porque não podemos abrir investigações se não tivermos dados suficientes. Também existem requisitos para abrir investigações”, afirmou.

Direitos Humanos investiga
Por sua vez, a Comissão Estadual de Direitos Humanos abriu o inquérito de ofício número 21/2023 e emitiu medidas cautelares dirigidas ao presidente municipal e solicitou investigação, bem como a instauração de procedimento de responsabilidade administrativa e, enquanto estiver sendo conduzido fora, que os elementos envolvidos sejam retirados de seus cargos.

0

Publication author

offline 2 horas

MAJOR

2 641
💀Nosso sorriso para os invejosos funciona como o brilho do sol para um vampiro. Acaba com a vida deles.
Comments: 18Publics: 2763Registration: 14-07-2022
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments