HOMEM TORTURADO POR SOLDADOS EM UGANDA

Google tradutor…

Soldados das Forças de Defesa Popular de Uganda (UPDF) capturados em um vídeo viral torturando um homem ainda não identificado na vila de Lagot, subcondado de Mucwini, distrito de Kitgum, foram presos.

“Um julgamento público deve ser conduzido para garantir que a justiça não seja apenas feita, mas que seja feita”, disse o porta-voz da UPDF, Brig. O general Felix Kulayigye disse em um comunicado que postou no X, antigo Twitter, na quarta-feira, 13 de dezembro.

Ele disse que a UPDF notou com “extrema preocupação” o vídeo que circulou nas redes sociais, mostrando a vitima amarrada e suspensa por cordas sendo açoitada dentro de um prédio por soldados e civis.

Apresentando o que chamou de fatos, Kulayigye disse que a vítima foi presa por civis em Lagot sob suspeita de ser um ladrão e eles se recusaram a levá-lo à Polícia, optando por fazer justiça à multidão.

“Os moradores locais contataram o RDC (Comissário do Distrito Residencial) Kitgum, que os desencorajou contra a justiça da multidão. O presidente do LC3 e o GISO (Oficial de Segurança de Inteligência de Gombolola) optaram então por levar o suspeito para um destacamento local da UPDF, onde o comandante do destacamento lamentavelmente permitiu este ato hediondo, sem o conhecimento do comandante da sua unidade”, disse ele.

“A UPDF condena a justiça das multidões, seja por parte de civis ou soldados. Ninguém tem o direito de administrar tais punições, pois os castigos corporais e qualquer forma de tortura são inconstitucionais nas leis de Uganda. As leis fornecem um procedimento claro que orienta a prisão/detenção de suspeitos. A UPDF continuará a garantir a estrita observância do Estado de direito”, acrescentou Kuluyigye.

Ministro atordoado

O vídeo surpreendeu no início do dia o ministro de Estado da Defesa, Jacob Oboth, que ordenou uma investigação sobre o incidente.

“Isso é inacreditável, independentemente do crime ou ofensa, a tortura é proibida. Isso deve ser investigado imediatamente @cdfupdf para identificar, isolar e punir os perpetradores”, disse Oboth, que também é deputado do West Budama Central, no X.

Ele estava a reagir a uma publicação do Dr. Kenneth Omona, principal secretário privado do presidente Yoweri Museveni, na qual ele (Omona) dizia que não podia acreditar que o incidente tivesse ocorrido no Uganda até ouvir uma lingua que conhece bem.

“O homem implora para ser levado para identificação ou descobrirão que ele foi espancado inocentemente. Esses homens barbaros com paus não merecem qualquer posição de autoridade no nosso país. @PoliceUg”, escreveu Omona, um ex- parlamentar, em sua conta X.

Ele agradeceu ao ministro por pedir uma investigação.

Ventorino Otto, presidente do comité executivo do KINGFO, também condenou o incidente.

“Fomos informados de forma confiável de que este hediondo abuso de autoridade ocorreu em Mucwini. Seja qual for a razão, isto é totalmente desumano, extremamente degradante e totalmente ilegal. Deve ser condenado em termos muito fortes e claros por todos os cidadãos cumpridores da lei do mundo civilizado”, disse ele num comunicado.

0

Publication author

offline 33 minutos

MAJOR

2 471
💀Nosso sorriso para os invejosos funciona como o brilho do sol para um vampiro. Acaba com a vida deles.
Comments: 18Publics: 2610Registration: 14-07-2022
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments