Cartel de Santa Rosa de Lima interroga um ladrão

México –

O Cartel de Santa Rosa de Lima divulgou no Telegram um vídeo onde um homem capturado está sendo interrogado. O preso nu e ensanguentado narra diante da câmera os nomes de todos os envolvidos naquele assalto.

Um facão de 24 polegadas nas mãos de um assassino destro pode ser visto flutuando dentro e fora de vista durante esta transmissão. Esta ferramenta será usada fora das câmeras

A tradução do vídeo é a seguinte:

Cativo:..em Guadalajara.

Interrogador: Para quem você trabalha?

Cativo: (Ininteligível).

Interrogador: Quem é o indivíduo que roubou os uniformes da Guarda Nacional?

Cativo: Meléndez.

Interrogador: Quem mais esteve envolvido nessa rota?

Cativos: El Rufles, Meléndez e El Milpas.

Interrogador: Quem mais?

Cativo: El Negro e seu parceiro. Mas tudo deu errado para todos aqueles idiotas. Eles estariam supostamente matando pessoas aqui em Salamanca.

Interrogador: Que outras pessoas estão no seu grupo e quais são os seus nomes?

Cativo: São El Rufles e Edgar.

Interrogador: Este se tornou o seu destino porque você é um idiota. Vocês simplesmente não sabem como trabalhar aqui. O que aconteceu com vocês, idiotas? Esse foi o seu destino por causa do seu envolvimento com aquelas vadias magras. Não é verdade? Não abaixe a cabeça, seu viado. Diga-me por que isso aconteceu com você?

Cativo: Porque eu apoiava o cartel das quatro letras.

  • El Triangulo Sigue Rifando é o nome da música que toca durante esta transmissão
0

Publication author

offline 53 minutos

MAJOR

2 561
💀Nosso sorriso para os invejosos funciona como o brilho do sol para um vampiro. Acaba com a vida deles.
Comments: 18Publics: 2743Registration: 14-07-2022
Subscribe
Notify of
guest

3 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Andrei Seixas

Esse Santa Rosa e pequeno,mas compensa com crueldade extrema.

0
gure48cd

podia mandar uns assaltantes daqui do brasil pra lá no méxico, eles iriam adorar esse tipo de tratamento

0
zezinho

pinhata mexicana, invés de doce, sai sangue

0